sexta-feira, 6 de junho de 2014

Obra-prima

Os dois tiveram o mesmíssimo sonho. Artistas plásticos em começo de carreira, sonharam que chegara o dia que tanto esperavam: seu talento seria finalmente reconhecido. Antes do pôr-do-sol, eles pintariam o mais belo quadro que o mundo já vira, a obra-prima das obras-primas, a obra de arte para a qual Da Vinci sequer teve a ousadia de se inspirar. Mas uma era a condição: eles teriam de pintá-la a quatro mãos. Nada demais, não fosse um detalhe: mesmo morando na mesma cidade, ainda não se conheciam.
Levantaram-se da cama bruscamente, ainda sonolentos. A janela anunciava o nascer do sol. O sonho não lhes saía da cabeça. Deveriam levá-lo a sério? Que loucura! Pintar um quadro com um desconhecido e em poucas horas? E ainda mais aquela que seria a maior obra de arte de todos os tempos? Ainda que confusos, do sonho lembravam que o encontro entre os dois seria no centro da cidade. Assim que se encontrassem, reconhecer-se-iam mutuamente, mas não sabiam exatamente como.
Tomaram um banho rápido. Vestiram uma calça qualquer e a primeira camisa que encontraram, exatamente aquela jogada sobre um dos cavaletes. Tomaram café às pressas. Aliás, nem o tomaram todo. Um pouco do café caiu acidentalmente na camisa que vestiam. Saíram correndo de casa assim mesmo, em direção ao centro da cidade. Realmente precisam apressar-se. Eles tinham somente até o sol se pôr para trazer ao mundo a arte suprema.
Algo lhes dizia que deveriam ir até o marco zero da cidade. E foram. Chegaram quase no mesmo instante e se reconheceram na mesma hora. Correram um em direção ao outro, como se fossem velhos amigos que não se viam de longa data. Abraçavam-se e gargalhavam extasiados de felicidade. Vestiam a mesma calça jeans e a mesma camisa manga curta de meia branca, manchada de tinta e com respingos de café. Era o sinal. Eram eles mesmo.
Não falavam nada. Não havia o que dizer. Nos olhos um do outro viam o quanto tinham em comum, além da profissão e da cidade natal. A vontade de viver da arte. O mesmo estilo. As mesmas influências. Os mesmos gostos. O sonho de seus traços mudarem a forma de a humanidade ver o mundo. O sonho que tiveram na noite passada... e a certeza de que aquele era mais que um sonho... Céus! O sonho! - pensaram eles. Não poderiam mais perder tempo. O sol marcava meio-dia.
Em poucos minutos decidiram questões práticas como a composição do quadro, a técnica, o estilo, o tamanho da tela, a profundidade, a luz, as cores. Aparentemente, tudo resolvido, um deles puxou o outro pelo braço:
- Vamos! Meu ateliê fica pra lá.
O outro não arredou o pé:
- Achei que fôssemos pintar no meu ateliê!
E começaram a discussão. Cada um apresentando mais e melhores argumentos que o outro de que o seu ateliê era o local mais adequado para nascer a obra de arte. Porque era mais amplo. Mais confortável. Mais inspirador. Por que lá havia acervo de material suficiente para finalizar o quadro e, ainda que viesse a faltar algo, perto havia onde comprar os suprimentos necessários.
Os argumentos e contra-argumentos não tinham fim. E as horas se passavam. E ali eles permaneciam, sem chegar a uma decisão. Até que o sol se pôs. Enfim, escureceu. Não havia mais nada a fazer. Com a luz do sol, foi também a chance de a humanidade ver a obra-prima das obras-primas.
Parece que tudo não passara de um sonho. Ao menos, foi o que pensaram ao levantar da cama bruscamente, ainda sonolentos. A janela anunciava o nascer do sol. O sonho não lhes saía da cabeça. Deveriam levá-lo a sério? Que loucura! Deixar de produzir a maior obra de arte de todos os tempos por não conseguir chegar a um consenso sobre onde pintá-la? Eles não tinham tempo a perder. Tomaram um banho rápido, vestiram uma calça e uma camisa qualquer, tomaram café às pressas e saíram correndo em direção ao centro da cidade.

O conto 'Obra-prima' foi selecionado para publicação, pelo II Concurso Literário “O Velho Matemático”, no livro 'As Aventuras do Velho Matemático', ficando em 4º lugar no concurso, que contou com a participação de 113 escritores na modalidade conto. O livro pode ser adquirido com este contista ou com o organizador da coletânea, escritor Paulo Henrique Gonçalves. O conto também foi publicado na Revista Pacheco, na revista Desenredos e na revista Benfazeja.

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Poema de sacanagem

Clinton fumou, mas não tragou
Lula bebeu, mas não caiu
Fidel pitou e tropeçou
Maluf diz: Pitta que partiu

Clinton gozou, mas assumiu
Hillary engoliu, mas se elegeu
Bush invadiu, pintou e bordou
Al Gore nem ganhou e nem perdeu

Lula foi traído, mas não viu
Collor confiscou, caiu, voltou
Tancredo venceu, mas não assumiu
Sarney até hoje é senador

Jefferson dedurou Ali Babá
Dirceu foi o Congresso que cassou
ACM teve que renunciar
FHC quase a mãe privatizou

Quem mesmo que comprou, mas não pagou?
Rouba, mas faz. Ninguém sabe, ninguém viu
O povo reclamou, mas reelegeu
Quem muito prometeu, mas não cumpriu

* 'Poema de sacanagem' foi selecionado para publicação, pelo X Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus, no livro 'Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus – 2013'. O livro foi lançado em 2014 no 28º Salão do Livro e da Imprensa de Genebra (Suíça) e na 23ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo e pode ser comprado no site da PerSe Editora, na versão impressa e digital. O poema também foi publicado na Revista Pacheco.
** Uma versão ampliada do poema foi publicada ainda no livro Retalhos II, organizado por Aroldo Pinheiro.